sexta-feira, 6 de março de 2009

Memória de mim

Eu era o nº 179 e aqui me apresento com 50 anos a menos Quem me dera neste tempo. Penso que foi tirada no mesmo dia do grupo que colei há dias atrás.
Alinhar à esquerda

5 comentários:

Sérgio Lopes disse...

Mas que promessa, ó Natércia!

Não, não leias promessa de "continência" - Deus me livre! -, quis dizer promessa de mulher... ahahahah

Acácio Leite disse...

Natércia . Agora não duvido que se não me aproximei ( ou será apaixonei ? ) de ti e de teu irmão foi por razões óbvias - serem filhos de pessoa que respeitava muito e que ao mesmo tempo temia . Para a época estás mais para sereira do que para brasa.

Tenho acompanhado este teu "namorico" com o Sérgio e estou a lembrar-me como as coisas evoluiram . No nosso tempo os namoricos eram transmitidos em bocados de folhas dos cadernos de carteira para carteira . Agora , são por email´s de continente para continente .

Sérgio Lopes disse...

Ó Acácio, a única coisa que não evoluiu é teres mantido esse teu hábito de te pores atrás da cortina, agora virtual, a espiar os namoricos ahahahahahahah

Mas, mais a sério, vieste recordar outra coisa que mudou radicalmente: o respeito que nós tínhamos pelos mais velhos.

Hoje há uma total ausência de respeito. Uma das razões, penso, está na falsa transferência da “educação” de casa para a escola, começando pela troca do nome do respectivo ministério. Antigamente chamava-se Ministério da “Instrução” (lembram-se de “Os Maias” do Eça?), hoje é o Ministério da “Educação”. Dessa troca parece ter resultado a desresponsabilização dos pais quanto à educação dos filhos desde o berço. E chegou-se ao ponto de ninguém educar ninguém.

Mais complicado ainda, é uma grande parte dos jovens não terem nenhuma noção de "auto" respeito.

Natércia Martins disse...

Se algum de vocês entrasse agora na escola de certeza que não lhe encontravam semelhança minima do " nosso tempo".
Eu que até fui professora, me arrepio com o que agora por lá se passa.

Sérgio Lopes disse...

O estado de degradação das instalações antigas foi uma das coisas que o Prof. Ferreira de Lerena mencionou com tristeza no email que me enviou. Apontou-me, ainda, que o colégio velho, anexos e não sei que mais foi comprado por uma família que não se preocupou com a sua história. O painel de azulejos, onde figurava o emblema do IVS, foi vandalizado pelos novos donos, que rasparam grosseiramente nome INSTITUTO VAZ SERRA, que bordejava o pé do emblema, e por cima escreveram o nome da família.

Natércia, tu dizes que foste professora no IVS. Portanto, sucedeste ao teu pai, o que é uma história que nos podias contar, enquadrá-la temporalmente e deves ter fotos da época para colar. Não negues ao blogue mais essa recordação. Aqui fica o desafio.