domingo, 22 de fevereiro de 2009

Recordações

O Prior conseguia torcer o pescoço aos galos? Sei que havia uns professores que tinham galinheiros no quintal, pois o mercado era só à Segunda feira e precisava de se arranjar comida para o resto dos dias. Então uma noite um galo lindo, amarelo e crista vermelha desapareceu do galinheiro do Dr. Faia ( o tal da gravatinha). O meu pai convidou os professores, colegas do IVS para uma jantarada. Comeu-se canja, cabidela e pudim. O Dr Faia lamentou-se muitas vezes , pesaroso, do desaparecimento do seu galo. Lá pela meia noite, já tudo bem comido e bem bebido, chega a empregada do meu pai com um alguidar cheio de penas amarelinhas .... O homem espumou de raiva .... e saiu porta fora a praguejar. Afinal tinha sido o Mendes Nunes quem lhe tinha roubado o galo, mas teve o descaramento de lho dar a comer, também. Natercia

1 comentário:

Sérgio Lopes disse...

Ó Natércia, também se dá o caso do professor aprender com o aluno... Vais ver o teu pai recebeu umas lições de torce pescoço do Prior ou, outra hipótese, contratou o Prior para fazer o "trabalhinho".

Agora sem brincadeiras, vai contando coisas do teu pai, para as pessoas ficarem a saber que era a pessoa. Não era conhecido pelo seu humor, mas tinha-o, lá isso tinha. Até no caso do cigarro, ele olhava com um sorriso maroto quem estava a olhar para o cigarro.

Também o caso de fazer a malta empurar-lhe o carro e depois devolver-nos ao colégio de boleia era puro humor e ele devertia-se com o ritual.