sábado, 25 de abril de 2009

A primeira pétala

A primeira pétala caiu

Da rosa que tu me deste.

Depois as outras cairam também,

Talvez vergadas ao peso das minhas lágrimas !

Jazem caídas, Mortas,

Despidas do encanto,

Do viço que tinham antes !!

Ao olhá-las

Aí mortas,

Lembro o teu amor,

Que de repente floresceu

E como as pétalas,

Da rosa que me deste.

Talvez vergado

Ao peso das minhas lágrimas

Caiu

E para sempre morreu !

Natércia Martins

Dedicado a quem não me quis

17 comentários:

Sérgio Lopes disse...

Mas temos uma poetisa!

Lindo poema. Gostei.

Joao Facha disse...

GOSTEI MUITO.
O GAJO ERA UMA BESTA.

Acácio Leite disse...

A culpa foi toda tua !!! Devias ter escrito em braile !!!

Sérgio Lopes disse...

Vocês estejam atentos! Esta saída do Acácio é das melhores que tenho lido. Como se diz em inglês "short and sweet"!

Ó João, de facto, se o gajo era uma besta e cego, a Natércia devia ter escrito o poema em Braille! 100% correcto o nosso Acácio.

Natércia Martins disse...

Braile não sei Nem ler nem escrever. Mas a culpa da cegueira não foi minha Vocês estavam todos lá ..... ao tempo desta escrita.

Acácio Leite disse...

Natércia.Nós éramos tantos . Altos , baixos , bonitos , feios , assim assim , morenos e loiros e logo foste dedicar um poema tão lindo a uma besta cega . A culpa , quer queiras quer não , continua a ser tua.

Joao Facha disse...

Eu defendo-te. Estes gajos são todos uma cambada de materialistas.
Não há Braille que contemple a cegueira do Amor.
Esta maltosa só se apaiona pela barriga.
Parabens para ti, que entre esta turba-multa de jovens inocentes,conseguis-te ver o Amor.
Quem me dera ter encontrado,ao longo da minha vida,uma pétala de rosa molhada.......

Natércia Martins disse...

Toda a gente encontra montes de pétalas. às vezes não se vê o que está mesmo debaixo dos pés.
Isto foi escrito há muitos anos...

Joao Facha disse...

Não se vê por estar tão proximo.
depois, paga-se muito caro........

Natércia Martins disse...

Costuma-se dizer: Por se ver tanto, não se vê nada.

Sérgio Lopes disse...

Ó Natércia, tu já reparaste na onda de sentimentos, bem sentidos, que a tua Pétala levantou?

E, depois, atiras com este fuzilamento colectico (cito) "Vocês estavam todos lá ..... ao tempo desta escrita".

O único que ficou de fora foi o Acácio que, não sendo cego, só lê braille ahahahahah

Natércia Martins disse...

O Acácio não sendo cego lê Braile, no entanto " O maior cego é aquele que não quer ver"
Ora bem, meus Amigos. Quando escrevi isto nunca pensei que criava toda esta onda de " palermice". Afinal já temos idade para termos juizo.

Sérgio Lopes disse...

E não é que agora deste uma de mulher-teenager, onde nem o termo "parlermice" faltou?

Que brincámos, brincámos, connosco mesmo, mas o teu poema trouxe recordações verdadeiras, pelo menos ao João e a mim. Todos nós, naquela idade e até mais à frente, não vimos "A Primeira Pétala" e, quantas vezes a segunda, a terceira e a quarta... Até o raio da "pétala" nos secar completamente nas ventas.

Enquanto o Acácio atirou as suas memórias para baixo do tapete com uma piada brilhante, penso que o João e eu fizemos uma retrospectiva salutar. Não nego, hoje, que aproveitei muita "pétala", sem primeiro a examinar bem. Há "pétalas", que não resistem a um exame microscópio, se ao microscópia aa submetermos. Quando se dá pelo equívoco, já se vê a olho nu a enormidade da "pétala"...

O teu poema não foi "parlermice" nenhuma, foi positivo, sôra psôra.

Natércia Martins disse...

O teu ultimo comentário foi o corolário de todos os nossos sentimentos que aqui expusemos. As pétalas estiveram sempre, e se calhar, ainda estão tantas vezes tão perto e não as queremos ver. Disse no fim em jeito de assinatura: Dedico estes versos a quem não me quis
Se calhar, também só hoje compreendi melhor o sentimento com que os escrevi. Foi sentimento e até revolta por ter sido rejeitada e isso é coisa que uma mulher não esquece nunca.
As palavras do Sérgio abriram um pouco mais ainda o sentimento com que os escrevi.

Acácio Leite disse...

Vamos lá por partes . Não sou poeta e , pior ainda, não sei ler poesia . Porém gosto de ler os poemas e as prosas da Natércia , mas não tenho a veleidade de os comentar . Os meus comentários são feitos na sequência do comentário inicial da Natércia : Dedicado a quem não me quis.

Natércia. Gostei muito de ler " A primeira pétala " e espero ler muitos mais poemas teus.

Quanto a ter mais juízo não prometo nada .

Joao Facha disse...

Natércia, é preciso coragem, para se reconhecer que foi margenalizado.Mas,mostra a nobreza da tua pessoa e a beleza com que encaras a vida.E, digo beleza porque aceitar a derrota não é para todos......
Só para os eleitos.....

Natércia Martins disse...

Há derrotas que temos que enfrentar com a coragem necessária e ainda ter a coragem de sorrir