quarta-feira, 8 de abril de 2009

O Clube

O Clube faz parte de todos nós Ali dançámos tantas vezes. Ali se viam filmes que partiam e se esperava que voltassem a " correr . Foi aqui que dancei pela primeira vez . Ainda me lembra com quem Era um miudo, como eu se chamava ....... Roque Devia eu ter aí uns 12 ou 13 anos.

11 comentários:

Acácio Leite disse...

Terá sido com o Guerra Roque ( angolano - cabrito ) ?

Sérgio Lopes disse...

Também foi nesse Clube que dancei pela primeira vez (excepção feita à minha mãe). A música era o Tango Azul e a "cobaia" foi a Mimi Biscaia (irmã da Lócas e do António). A Mimi tinha a minha idade, mas naquela altura as garotas olhavam para os rapazes dois ou três anos mais velhos. E eu não estava autorizado a ir ao baile, pelo que até receei levar uma tampa da Mimi. Não levei! Ela é que levou algumas pisadelas...
Também foi neste Clube, um ou dois anos mais tarde, que fizemos a transição da música lenta para o Rock. Ainda há dias recordava a efeméride com a Lócas. Numa noite andávamos a dançar o tango, a valsa, etc., na outra o Rock chocou-se connosco! O primeiro rock tocado nesse clube foi o "Rock Around The Clock (1956), cantado por Billy Haley - este: www.youtube.com/watch?v=F5fsqYctXgM
Dancei-o com a Edite Amaral que se tornou uma grande dançarina de rock.
Como há eventos que não se esquecem! O rock serve para eu gozar com os meus filhos que ficam fulos quando lhes digo que em música a geração deles nada inventou, que foi a minha que inventou o rock e eles só lhe adicionaram decibéis até ficarem surdos ahahah.

Meus Deus! Tantos anos, tanta água passou por baixo da ponte! E nós, meus caros, fomos apelidados pelo História de "A Geração de Ouro"!

Natércia Martins disse...

Também aqui dancei com o Sérgio, sei lá Parece-me que dancei com toda a gente.
Modéstia à parte, eu dançava bem.
Ainda agora, e não passo de uma velhota " gaiteira" se aparece uma dança que o acordeão do meu grupo de folclore, toca para passar o tempo de espera,eu dou o meu pezinho de dança.
Que julgam vocês ?

Sérgio Lopes disse...

Não me digas, Natércia, que também te pisei! Para te lembrares, alguma coisa houve!

Ou andávamos agarradinhos demais para dar espaço aos pés para pisar?

Lá me vais arrancar mais um dente...

Acácio Leite disse...

Foi nas instalações deste clube que fui detido ( não estou a ver é o portão tipo cancela) pela GNR aquando de um jogo com o Benfica de Castelo Branco( ler história) e foi neste clube que passei a minha última noite em Cernache do Bonjardim.
Estávamos no carnaval de 1 960 ( século passado ) e minha mãe obrigou-me a passar as férias de carnaval no IVS . Foram dois dias de baile no clube inesquecíveis e só me lembro da Farraia ( o pai tinha uma farmácia ? ) . Só que na terça-feira de carnaval a minha mãe apareceu em Cernache do Bonjardim para me levar para o Colégio Almeida Garrett do Porto. Assim terminava a minha passagem pelo IVS e começava a minha vinda para esta , apesar de tudo , linda África e mais linda ainda Angola em 1 961 .

Natércia Martins disse...

Por essa altura também eu andava nas " danças" de Cernaval no Clube.
Fizeram obras e tiraram a cancela. O Dr Farraia era médico e pai da Ana, Guida e ( o filho não me lembro do nome )Farraia
O farmaceutico era Farinha. Já morreu
Grande partida de carnaval essa da tua mãe. Se calhar só foi bom para ti As mães fazem só o que é bom para os filhos.

Sérgio Lopes disse...

Ó Acácio, não deixes as coisas pelo meio que nos aguças a curiosidade.

Para a tua mãe te castigar assim, alguma fizeste que dessa vez não pudeste de todo encobrir, meu malandrão! Sim, porque que eras um grande malandrão é dado irrefutavelmente adquirido...

Se eu era o comandante do batalhão, tu eras o comandante malandrão (até rima) ahahahahah

Anda, conta todos os detalhes – as malandrices, por lei, já prescreveram, nada tens a temer a esta distância.

Ou, então, ficaste no IVS dado que, cito a Natércia, por essa altura também eu andava nas " danças" de Carnaval no Clube... Começa a desvendar-se o fio à meada (ou no caso em pauta teria sido “miada”?)

Estou mesmo a ver, um mascarado de Lobo Mau, a outra de Branca de Neve ahahahahah

Nesta narração pelo Acácio, só não percebi o papel do portão tipo cancela na história, mas adivinha-se que ao fim de duas noites de farra não havia portão que te aguentasse ahahahah

Natércia Martins disse...

Fui lá e tirei esta foto, mas parece-me que o portão desapareceu. Não terá sido no tempo do Acácio, nem do meu, uma vez que saímos de lá quase há uma eternidade.
Quanto aos bailes no clube, quem nos dera nesses tempos !!!!!

Sérgio Lopes disse...

Ó Natércia, não desprezes a hipótese, provável, do Acácio ter "abafado" o portão como souvenir ahahahahah

Natércia Martins disse...

O portao ? Caramba ..... Era grande demais para levar no boso ? Não seria mais fácil levar as cerejas mesmo em perfita promiscuidade.?As cerejas nunca se queixaram .....

Sérgio Lopes disse...

Terás razão, Natércia, de facto transportar o portão de ferro onde ele transportava as cerejas era capaz de ser duro demais para os ditos cujos do Acácio. Retracto-me incondicionalmente com um pedido formal de desculpa ao Acácio...