quarta-feira, 26 de maio de 2010

Crónica de António Mendes Nunes, o nosso 14

ESPECIALISTA HISTÓRIAS DE LISBOA

De quase igreja a maternidade

por António Mendes Nunes, Publicado em 26 de Maio de 2010
Mais de meio milhão de bebés já nasceram na Maternidade Alfredo da Costa desde 1932, ano da sua inauguração. Poucos saberão é que aquela unidade de saúde surgiu sobre os alicerces de uma igreja, começada em 1904 mas que nunca passou dos alicerces. Ao tempo todos aqueles terrenos eram da Quinta de Santo António dos Pescocinhos, propriedade da condessa de Camaride, que ofereceu uma boa parte para nela ser erigido um templo com a evocação de Nossa Senhora da Conceição. Com peditórios e doações reuniram-se 100 contos para se iniciarem as obras (cerca de 2 milhões de euros actualmente) e a primeira pedra foi lançada com a presença da corte e de muita gente ilustre. Logo no início do ano seguinte o dinheiro começou a faltar e nem os peditórios nas missas em todo o país parecem ter resultado, já que em 1910 havia novos apelos à dádiva. A obra também não avançava e com pouco mais que os alicerces levantados tudo foi nacionalizado com a implantação da República. Dois anos depois, em 1912, o arquitecto Ventura Terra iniciou o projecto da maternidade, a que foi dado o nome do professor e obstetra Alfredo da Costa, falecido dois anos antes. Foram os seus discípulos professores Augusto Monjardino e Costa-Sacadura que fizeram o acompanhamento da obra. A basílica nasceu "torta" e assim continuou a maternidade, que demorou quase 20 anos a ficar pronta. E foi inaugurada porque em 1932, após uma visita em que quase não proferiu palavra, Salazar mandou desbloquear os 1400 contos (um milhão e 200 mil euros ao câmbio actual) necessários aos acabamentos e ao recheio.
Editor de opinião

2 comentários:

Sérgio Lopes disse...

Mais uma vez me surpreendeste, dado que não conhecia os antecedentes da famosa Maternidade Alfredo da Costa.

Como é meu hábito, fui tentar saber mais e deparei-me com esta notícia interessante:

"Em 6 de Dezembro de 1932, foi admitida na Maternidade Dr. Alfredo da Costa a primeira grávida, chamava-se Glória Virgínia, tinha 18 anos, era natural de Tomar, coube-lhe o boletim nº1, viria a parir um rapaz com 3,500 Kg no dia 23 de Janeiro de 1933."

Seria também interessante saber-se o que é ou foi feito do 1º bebé nascido na Maternidade Alfredo da Costa, mas não encontrei nenhuma referência. O rapaz terá hoje 77, se ainda está entre os vivos.

AntonioMN disse...

Caro Sérgio
Muito obrigado por colocares aqui a minha croniqueta. De facto era curioso saber o que foi feito desse primeiro natural de Santo António dos Pescocinhos...
Um grande abraço e
Até já
António