quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O CAVALEIRO E A MOURA ENCANTADA

por António Mendes Nunes .
.
.
O imaginário popular é fértil em histórias de amor entre cavaleiros cristãos e princesas mouras.
.
A nossa história também relata um desses amores, vivido entre um nobre português e uma escrava moura, mas é bem real e deu origem ao Convento do Rato, que já foi de freiras e hoje é uma esquadra da PSP e uma dependência da Casa Pia.
.
No final da primeira metade do século XVI, Luís Gomes de Elvas, fidalgo da casa real, apaixonou-se por uma bela escrava moura, propriedade do seu amigo Gonçalo de Pina. Em 1550 dessa ligação nasceu um rapaz, Manuel Gomes de Elvas. Apesar de filho ilegítimo e fruto de uma escrava, mereceu toda a atenção do pai, que lhe deu esmerada e profunda educação, o que lhe permitiu ocupar cargos importantes e amealhar uma fortuna colossal. Nunca se casou, viveu sempre na companhia da mãe, a antiga escrava, já mulher livre muito apaparicada e com bom estilo de vida,no solar brasonado da sua quinta da Matta, em Loures.
.
Em 1614, aos 64 anos, Manuel Gomes de Elvas redigiu testamento em que além de distribuir bens por todos os familiares próximos (sobrinhos) e afastados (primos), deixou uma importante verba para a construção de um convento de feiras Trinitárias. O fidalgo filho da escrava moura morreu em 1621 sem que as obras se tivessem iniciado. Só em 1633 um seu sobrinho e testamenteiro, Luís Gomes de Sá e Menezes, lançou a primeira pedra. Tinha por alcunha o Rato e foi assim que a partir dessa altura, quer o convento, quer todo o local por Rato ficou conhecido.
.
Publicado no jornal i em 26 de Agosto de 2009

7 comentários:

AntonioMN disse...

Sérgio, socorre-me, se puderes! Isto fica sempre tudo colado sem graça nenhuma!! Dá para ler, mas é chato.

Sérgio Lopes disse...

António, parabéns pelos temas que escolhes.

Fiz o melhor possível para reeditar, mas tudo indica que o Editor de texto do blogue tem um problema que ainda não consegui solucionar. O defeito, portanto, não é teu.

Abração,

Sérgio

Natércia Martins disse...

Mesmo sem o formato pretendido continua a escrever. Já o disse muitas vezes.
O conteúdo vale mais que a embalagem.

Sérgio Lopes disse...

Sábia esta tua irmã, ó António! Ouve-a!

J J disse...

Conselho: ponham o texto primeiro em Word, retirem toda a formatação e só depois copy»paste no Blogger. Só então, e já na caixa do Blogger, voltem a formatar.
Para criar uma linha em branco entre parágrafos coloquem um ponto
.
que depois definem com a mesma cor do fundo, tornando-o invisível.

Tentem também usar sempre o mesmo tipo e tamanho de letra, o que torna o blogue visualmente mais harmonioso.
Espero ter ajudado.
JJ

Natércia Martins disse...

Pois é Eu só sabia metade da informação.
Como o AntónioMN é meu irmão agradeço também o ensinamento. Mesmo sem te conhecer. Obrigado

AntonioMN disse...

Carissimo

Obrigado pelas dicas. É claro que está muito melhor!
Para a próxima acho que já consigo colocar o texto sem ficar um pastel.
Um abraço também para o Sérgio e para a minha irmã.