segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Café Académico

Ontem, 22 de Agosto de 2010, passei por Cernache e fui matar saudades dos locais da minha infância e parte da juventude. O Café Académico está encerrado há já alguns anos mas a curiosidade foi demais e fui espreitar através dos vidros da porta. O interior está exactamente igual ao que era há 50 e tal anos atrás. O aparelho de televisão, as mesas, as cadeiras são as mesmas, aquela figura de um estudante de capa e batina ainda está no mesmo local, enfim, tudo está como naquele tempo, até me pareceu "ver" o pessoal de farda amarela andando de um lado para o outro. Acreditem que senti alguma emoção.

5 comentários:

Sérgio Lopes disse...

Meu Deus, Garcez, que emoção também para mim ver aquele interior aonde passei tantas e tantas horas da minha adolescência conviver com os meus colegas. Não consegui reter as lágrimas, confesso. Quando lá estive em 2005 ainda estava aberto. Foi procurar o Sr. Cipriano, dado que não sabia que já não estava entre nós. Recebeu-me, creio, o filho que estava atrás do balcão. Entrei na sala contígua, onde joguei tantas partidas de bilhar, numa altura com o meu parceiro preferido, o algarvio Joaquim Cabrita Neto que viria a fazer uma brilhante carreira empresarial e política e que encontrei, uma vez, no Canadá numa daquelas funções a promover o turismo em Portugal.
Obrigado Garcez

Natércia Martins disse...

Meu Amigo:
O filho do antigo dono do café Cipriano também faleceu.
Apenas resta a viuva que também já não é muito nova.

Antonio Garcez disse...

Sergio
Só para rectificar que não teria sido o filho, mas sim o genro que te recebeu, o Sr. Fernando Leitão casado com a filha do Sr. Cipriano.
Recordas-te das partidas de bilhar com o Sr. Cabeçadas (motorista da Comp. Viação de Cernache)ele dava o efeito á bola com gestos corporais e quase se metia debaixo da mesa. Pormenores de outros tempos, simples mas retidos na nossa memória.

Antonio Garcez disse...

Ei Natércia, estávamos quase em simultâneo.

Sérgio Lopes disse...

Natércia, bolas! Tantos já "idos" ou a "partir"... É o lado mau do blogue...

Garcez, recordo o Cabeçadas muito bem.

Mas olha, quer eu, quer Verdugo (que será feito dele?) metíamos o ombro por baixo da mesa de bilhar e levantávamos os 200 e tal kg de mármore que há na base... De facto, outros tempos, agora não levanto um caracol ahahahahah