sexta-feira, 5 de junho de 2009

Grande Pintor Albano Neves e Sousa

Eu na ocasião em que me ofereceram um cachorro "salsicha" em Salvador da Bahia, visto pelo grande pintor angolano e meu grande amigo, já falecido, Albano Neves e Sousa. À direita a auto-caricatura do saudoso Albano, com que ele assinava as caricaturas.
Outra caricatura do Albano sobre um prato a brincar comigo, por ocasião da minha saída dp Brasil.  O Albano era um caricaturista que nunca parava.  Depois de um jantar fazia caricaturas num prato ou num guardanapo.
Dedicatória no livro (em cima) que marcou a inauguração da Galeria Neves e Sousa na Livraria-Galeria Verney, em Oeiras, em 11-12-2008.
Da minha colecção mais caricaturas humorísticas do Albano
 
Também da minha colecção, alguns dos quadros de Neves e Sousa, todos temas angolanos ou doutras ex-colónias
Pastores Macubais à fogueira
                                                                 Garota caboverdiana
Floresta do Maiombe, Cabinda
 
Viúva de Luanda
 
Viúva de Luanda - Pormenor com lágrimas nos olhos
                                                                  
                                                                       
Rapariga Angolana
                                               A famosa "Queimada" de Neves e Sousa

9 comentários:

Natércia Martins disse...

Gostava de ter um quadro desses !!!!
As paredes da minha casa podiam cair com tanto " peso" !!!!

Sérgio Lopes disse...

Ó Natércia, o peso depende do quadro. Claro que os "pulmões" das Garota Cabo-verdiana e da "Rapariga Angolana" sempre tornam esses quadros mais pesados do que o quadro da "Queimada". Uns são tecido humano sólido, o outro é só cinza ahahahahah

Natércia Martins disse...

O " peso" nem sempre é o " peso". Até o nome do artista tem muito peso....

Sérgio Lopes disse...

Olha que o artista que fez o favor de ser um grande amigo meu, coitado, também já é só cinza há uns anos. Nós para lá vamos.

Natércia Martins disse...

O meu vizinho diz: Pagar e morrer seja a última coisa a fazer ....
Já viste bem o " peso" dessas cinzas ?
Os quadros são lindos ....

Sérgio Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Joao Facha disse...

Gostei do tecido sólido. Se era sólido,inté espetava os pêtos cá da malta.
Desculpa Sérgio, mas cinzas ou não, eram o adubo daquelas abençoadas terras,que até davam "pulmões".
Mais a sério, é dos "espectáculos" terríveis, mas mais belos que pode ser dado ver.

Sérgio Lopes disse...

Foi nessa terra que o Albano tão bem retratou que conheci o uso da razão e cresci até ir para o IVS.

O Albano era 20 anos mais velho que eu. Era eu garoto já ele era um pintor famoso e nem conseguia aproximar-me dela. Em adulto, quando em 1972 fui transferido de Joanesburgo para Luanda, foi admitido no Rotary Club de Luanda de que ele já era membro há 10 anos. Foi aí que a nossa amizade aconteceu, depois cimentada a betão quando fui director-geral da TAP na América do Sul e ele se tinha exilado em Salvador da Bahia, a terra que alguns portugueses por vezes erradamente chamam "São" Salvador da Bahia. São Salvador é a capital de El Salvador.

Sérgio Lopes disse...

Ó João e era mesmo tecido sólido, até começarem a torcê-lo e esticá-lo para dar de mamar ao filho que traziam às costas...

Estou de acordo, uma queimada nas matas africanas, sobretudo à noite, é uma vista espectacular. Quando vivi na fazenda dos Dembos, tinha os meus 5 ou 6 anos, era espectáculo quase diário que nunca me saiu da memória. E ainda não tinham devastado as espécies selvagens, como pacaça (búfalo africano), girafas, leopardos, leões e elefantes, e era outro espectáculo vê-los a fugir às chamas às manadas iluminados pelo clarão.

Depois veio a tropa da metrópole que começou a caçar com as metralhadoras dos helicópteros...