terça-feira, 3 de novembro de 2009

Miguel Sousa Tavares e os professores

Do Nuno Bonneville recebi o e-mail que merece ser aqui reproduzido por valer a pena ler:

'A inútil' escreveu assim a Miguel de Sousa Tavares :

Sobre os Professores

É do conhecimento público que o senhor Miguel de Sousa Tavares considerou 'os professores os inúteis mais bem pagos deste país.' Espantar-me-ia uma afirmação tão generalista e imoral, não conhecesse já outras afirmações que não diferem muito desta, quer na forma, quer na índole. Não lhe parece que há inúteis, que fazem coisas inúteis e escrevem coisas inúteis, que são pagos a peso de ouro? Não lhe parece que deveria ter dirigido as suas aberrações a gente que, neste deprimente país, tem mais do que uma sinecura e assim enche os bolsos? Não será esse o seu caso? O que escreveu é um atentado à cultura portuguesa, à educação e aos seus intervenientes, alunos e professores. Alunos e professores de ontem e de hoje, porque eu já fui aluna, logo de 'inúteis', como o senhor também terá sido. Ou pensa hoje de forma diferente para estar de acordo com o sistema? O senhor tem filhos? - a minha ignorância a este respeito deve-se ao facto de não ser muito dada a ler revistas cor-de-rosa. Se os tem, e se estudam, teve, por acaso, a frontalidade de encarar os seus professores e dizer-lhes que 'são os inúteis mais bem pagos do país.'? Não me parece... Estudam os seus filhos em escolas públicas ou privadas? É que a coisa muda de figura! Há escolas privadas onde se pagam substancialmente as notas dos alunos, que os professores 'inúteis' são obrigados a atribuir. A alarvidade que escreveu, além de ser insultuosa, revela muita ignorância em relação à educação e ao ensino. E, quem é ignorante, não deve julgar sem conhecimento de causa. Sei que é escritor, porém nunca li qualquer livro seu, por isso não emito julgamentos sobre aquilo que desconheço. Entende ou quer que a professora explique de novo?

Sou professora de Português com imenso prazer. Oxalá nunca nenhuma das suas obras venha a integrar os programas da disciplina, pois acredito que nenhum dos 'inúteis' a que se referiu a leccionasse com prazer. Com prazer e paixão tenho leccionado, ao longo dos meus vinte e sete anos de serviço, a obra de sua mãe, Sophia de Mello Breyner Andersen, que reverencio. O senhor é a prova inequívoca que nem sempre uma sã e bela árvore dá são e belo fruto. Tenho dificuldade em interiorizar que tenha sido ela quem o ensinou a escrever. A sua ilustre mãe era uma humanista convicta. Que pena não ter interiorizado essa lição! A lição do humanismo que não julga sem provas! Já visitou, por acaso, alguma escola pública? Já se deu ao trabalho de ler, com atenção, o documento sobre a avaliação dos professores? Não, claro que não. É mais cómodo fazer afirmações bombásticas, que agitem, no mau sentido, a opinião pública, para assim se auto-publicitar. Sei que, num jornal desportivo, escreve, de vez em quando, umas crónicas e que defende muito bem o seu clube. Alguma vez lhe ocorreu, quando o seu clube perde, com clubes da terceira divisão, escrever que 'os jogadores de futebol são os inúteis mais bem pagos do país.'? Alguma vez lhe ocorreu escrever que há dirigentes desportivos que 'são os inúteis' mais protegidos do país? Presumo que não, e não tenho qualquer dúvida de que deve entender mais de futebol do que de Educação. Alguma vez lhe ocorreu escrever que os advogados 'são os inúteis mais bem pagos do país'? Ou os políticos? Não, acredito que não, embora também não tenha dúvidas de que deve estar mais familiarizado com essas áreas. Não tenho nada contra os jogadores de futebol, nada contra os dirigentes desportivos, nada contra os advogados.

Porque não são eles que me impedem de exercer, com dignidade, a minha profissão. Tenho sim contra os políticos arrogantes, prepotentes, desumanos e inúteis, que querem fazer da educação o caixote do (falso) sucesso para posterior envio para a Europa e para o mundo. Tenho contra pseudo-jornalistas, como o senhor, que são, juntamente com os políticos, 'os inúteis mais bem pagos do país', que se arvoram em salvadores da pátria, quando o que lhes interessa é o seu próprio umbigo. Assim sendo, Sr. Miguel de Sousa Tavares, informe-se, que a informaçãozinha é bem necessária antes de 'escrevinhar' alarvices sobre quem dá a este país, além de grandes lições nas aulas, a alunos que são a razão de ser do professor, lições de democracia ao país. Mas o senhor não entende! Para si, democracia deve ser estar do lado de quem convém. Por isso, não posso deixar de lhe transmitir uma mensagem com que termina um texto da sua sábia mãe:

'Perdoai-lhes, Senhor Porque eles sabem o que fazem.'

Ana Maria Gomes

Escola Secundária de Barcelos

6 comentários:

Natércia Martins disse...

Texto muito bem escrito e com o qual concordo inteiramente. Porque, também eu, fui professora primária, sim, professora primária, porque à minha escola sempre e durante 36 anos chegaram crianças vindas sem qualquer tipo de ensino senão aquele que as mães, transmitiam em casa. Fui inútil ? Se calhar, não É que depois de 4 anos de escola primária iam para os outros inúteis que lhes davam a formação necessária para finalmente ingressarem na faculdade. Daí sairam alguns bons escritores, advogados, médicos etc e ainda e também alguns inúteis como eu e outros como eu.

Natércia Martins disse...

Continuo a minha mensagem. É que tal como eu, houve muitas pessoas que ensinaram em locais recônditos deste Portugal. Tão recônditos que nem sequer havia luz eléctrica, nem água A escola não tinha empregada e varri a sala muitas vezes. Ganhava o belíssimo salário de mil quatrocentos e noventa escudos e cinquenta centavos. As mãos sujas de alguns alunos eram lavadas numa bacia de água fria e o único aquecimento da sala era o sol. Rica vida ! Cheguei à conclusão que o tal Senhor, de professores não sabe absolutamente nada !!!!!

AntonioMN disse...

O texto da senhora professora pode estar bem escrito e está. Pode dar prazer a ler e dá. Aliás nem é propriamente um texto é mais um estado de alma. Nem mais nem menos o segredo do êxito da literatura cor-de -rosa. Responder a um insulto com outros insultos é mau e coloca-se no mesmo plano do Miguel Sousa Tavares. A senhora faz insinuações, faz julgamentos morais e termina com um assassinato de carácter.
Infelizmente é assim que na maior parte dos casos se discute e faz política em Portugal. Decididamente temos pouco jeito para para ser uma sociedade civilizada e um bocadinho mais culta.

Sérgio Lopes disse...

Uma boa análise do António MN

Antonio Garcez disse...

Concordo letra a letra com a análise do MN.
Um abraço

MIGUEL VAZ SERRA disse...

Quem é Miguel Sousa Tavares?